Chocolate funcional: outra boa desculpa para comer o doce

Segundo especialistas, quanto mais cacau na sua barrinha, melhor

Publicado em 04/02/2016

Ótima notícia para quem ama chocolate: o consumo do doce pode ser muito benéfico à saúde. E essa possibilidade existe graças ao cacau, que pode ajudar o coração e melhorar o humor. Entretanto, os chocolates populares não são os mais indicados quando o intuito é aproveitar as vantagens desse produto. A opção indicada, neste caso, é o chocolate funcional.

A médica nutróloga Ana Luisa Vilela conta ao site Dicas de Mulher que tudo depende da quantidade de cacau em cada barrinha. “Quanto mais cacau no chocolate, mais saudável ele será”, diz.

A nutricionista Helouse Odebrecht também reforça as qualidades do cacau, seus compostos (polifenóis) e benefícios. A profissional cita mais cinco exemplos de vantagens do chocolate:

  • Potente atividade antioxidante na prevenção de reações oxidativas ao corpo (como envelhecimento precoce, formação de placas de colesterol)
  • Proteção contra danos ao DNA das células
  • Propriedades anti-inflamatórias e anticancerígenas
  • Proteção cardíaca e vascular
  • Propriedade antimicrobiana, antitrombótica, analgésica e vasodilatadora

Helouse também reitera a importância dos polifenóis: “Alguns trabalhos mais recentes têm procurado prever o teor de polifenóis em produtos derivados do cacau, e como o seu processamento afeta a sua qualidade nutricional e valor de polifenóis. O chocolate é um desses produtos derivados do cacau. Estes estudos buscam apresentar os aspectos tecnológicos que influenciam o perfil dos compostos fenólicos durante as etapas de processamento. Avaliam a destruição dos mesmos, que estão naturalmente presentes nas sementes”.

As pesquisas apontam que o teor do composto nutricional do chocolate é destruído principalmente nas etapas realizadas para o desenvolvimento do sabor de chocolate, as quais favorecem a diminuição da adstrigência e do amargor”, conta a nutricionista.

Ela ainda menciona a produção dos chocolates meio amargo e ao leite, que tem uma grande capacidade de desenvolvimento tecnológico. No procedimento, há a necessidade de ajustar o processamento do produto, para que compostos importantes à saúde não percam suas propriedades, mantendo o sabor do doce. "As empresas que desejam fazer um chocolate de boa qualidade, e que ainda preserve seus benefícios, devem estar antenadas nas pesquisas, estudos e inovações, para promover uma menor redução das propriedades funcionais do chocolate”, conclui.